Voltar

Dicas para sustentabilidade na agropecuária - Gestão de Resíduos Sólidos na Propriedade Rural

A correta destinação de resíduos no meio rural é de suma importância para a preservação ambiental. Resíduos sólidos contaminam o solo, o ar, as águas, sendo nocivos às plantas e aos animais, sejam silvestres ou domésticos. Para fazer a correta destinação, primeiramente é preciso conhecer bem e saber separar cada tipo de resíduo. Dejetos de animais, resíduos de podas, serragem, restos agrícolas são caracterizados como resíduos orgânicos, sendo mais facilmente reciclados no meio rural, muitas vezes constituindo-se em valioso adubo para a recuperação da capacidade produtiva do solo ou mesmo para a produção de combustível, como é o caso dos biodigestores movidos a dejetos animais, suínos e/ou bovinos.

Já as embalagens de agrotóxicos, os lubrificantes, as sucatas de maquinário agrícola, entre outros  materiais sintéticos (metais, vidros, borrachas, plásticos, produtos químicos etc.) oriundos de indústrias, são caracterizados como resíduos não orgânicos. Em geral, a correta destinação dos resíduos não orgânicos é mais difícil, pois envolve a necessidade de sua remoção para a indústria de reciclagem e, no meio rural, a separação e coleta desses resíduos é dificultada pelo alto custo do transporte às longas distâncias. Essa remoção para a reciclagem pode ser feita pela própria empresa que gerou o material que compõe os resíduos, em um processo denominado de “logística reversa”, como é o caso do recolhimento sistemáticos das embalagens de agrotóxicos. Já quando não há um sistema adequado de logística reversa, a situação fica mais problemática quando o sistema público de coleta e destinação de resíduos sólidos é deficiente ou, como em muitos casos, inexistente no meio rural. Em tais situações, infelizmente é comum observarmos os resíduos sendo irregularmente amontoados em algum canto da propriedade ou sendo indevidamente queimados.

Quanto à destinação inadequada de resíduos, é importante ressaltar que, diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos, é vedada a disposição de resíduos sólidos a céu aberto (à exceção dos resíduos de mineração), seu lançamento em quaisquer corpos hídricos ou a sua queima em locais e equipamentos não especificamente licenciados para essa finalidade, lembrando que a queima irregular de resíduos sólidos é tipificada como crime, podendo resultar em multa ou até mesmo em detenção.

Diante disso, como deve proceder o produtor rural? O recomendado mesmo é o produtor rural agir de maneira responsável com todos os resíduos que gera em sua propriedade. Primeiramente, orienta-se que o produtor procure conhecer bem qual é a destinação mais adequada para cada tipo de resíduo por ele gerado. Para os orgânicos, ele pode buscar implantar processos para transformá-los em adubos, como a compostagem ou a vermicompostagem. Se o volume de resíduos orgânicos for muito grande, como nos casos dos grandes confinamentos de suínos ou bovinos, o produtor pode buscar implantar um biodigestor, e com isso gerar combustível para abastecer os veículos e máquinas da propriedade, gerar calor para cozimentos, aquecimento de ambientes ou para aquecer caldeiras, entre outros usos. Para os resíduos inorgânicos, recomenda-se que o produtor rural busque separar os resíduos por tipos e acumulá-los em local seguro, para o posterior encaminhamento para a indústria de reciclagem. Esse encaminhamento fica mais viável quando diversos proprietários rurais de determinada região coordenam essa separação e destinação, pois com isso podem compartilhar o frete.

No sentido da gestão adequada de resíduos sólidos nas propriedades rurais, é bom mencionar que o Banco do Nordeste, por meio de sua linha FNE VERDE, disponibiliza financiamento para diversas atividades relacionadas à gestão de resíduos, incluindo a recuperação/remediação de áreas contaminadas. Procure saber mais junto a uma agência mais próxima do Banco do Nordeste! Ao agir com responsabilidade ambiental o produtor não só ficará com a propriedade mais limpa, como também ficará com a consciência mais tranquila. A Natureza Agradece! Por fim, informamos que o Banco do Nordeste recentemente lançou a reedição do Guia do Meio Ambiente para o Produtor Rural, publicação digital de distribuição gratuita, que fornece valiosas informações e dicas para a gestão ambiental adequada das propriedades rurais, vale a pena conferir!

 

(Texto da Célula de Meio Ambiente, Inovação e Responsabilidade Socioambiental - Ambiente de Políticas de Desenvolvimento)