Pular para o conteúdo

Sala de Imprensa

 
 

Voltar

Preço da cesta básica do Nordeste cresce acima da inflação em 2016

Apesar de queda nos últimos quatro meses, acumulado superou a variação de 2015

Fortaleza, 12 de janeiro de 2017 – A mesa do nordestino esteve mais cara em 2016. O valor da cesta básica, calculado a partir da pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em todas as capitais brasileiras, ficou acima da variação do apontador oficial de inflação, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Enquanto o grupo “alimentos e bebidas” do IPCA apresentou crescimento médio de 10,0% no Nordeste, a variação acumulada do custo da cesta básica na Região foi de  20,3%.

Em comparação à média regional de 2015 (+12,6%), o aumento na cesta básica nordestina deve-se principalmente ao crescimento nos preços do feijão (+88,2%), do leite (+33,5%), da banana (+22,5%), do açúcar (+58,4%), da farinha (+32,1%) e da manteiga (+44,0%).

Esses itens representam cerca de 39,8% da cesta básica na nordestina, que encerrou o ano custando R$ 367,09, sendo a de menor valor monetário entre as regiões brasileiras - Norte (R$ 394,24), Centro-Oeste (R$ 417,58), Sul (R$ 434,23) e Sudeste (R$ 441,62).

 

Capitais

As maiores variações na cesta do Nordeste, em 2016, foram nas capitais Aracaju (+29,6%), Fortaleza (+25,0%) e João Pessoa (+23,1%). Natal (+18,3), Recife (+16,4%) e Salvador (+14,8%) registraram as menores variações.

O preço médio da carne, no ano de 2016 variou entre 3,8% (Natal) e 11,2% (João Pessoa), comparado com o de 2015. Na média do ano, a carne tem a maior participação relativa: de 27,7%. E sua variação foi de 7,2%, apresentando as principais variações, além de João Pessoa, em Fortaleza (+10,8%) e Aracaju (+9,5%).

O feijão, produto que vinha despontando como destaque na formação do processo inflacionário dos alimentos e também da cesta básica, teve seu preço elevado em 88,2%.

 

Tendência de queda

Apesar do resultado acumulado, observa-se tendência de queda no preço dos alimentos nos últimos quatro meses. No Brasil, o custo da cesta básica declinou 1,9% em dezembro de 2016 em relação ao mês anterior, enquanto o Nordeste apresentou redução média de 2,1%. A variação ficou abaixo dos -0,3% de outubro, mas acima dos -3,4% de novembro.

A redução deve-se principalmente às variações negativas nos preços do feijão (-16,6%), do leite (-4,7%), do tomate (-2,2%) e do pão (-0,4%). As variações positivas mais relevantes ocorreram para a banana (+2,6%) e a farinha (+2,0%).

As informações são do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), órgão de pesquisas do Banco do Nordeste, com base em informações divulgadas Dieese.


Desculpe nossa interferência, mas seu navegador não suporta a tecnologia utilizada neste portal.

Procure atualizar o seu navegador para a última versão disponível ou utilize uma das sugestões gratuitas e modernas listadas abaixo:

Chrome 18 ou +Firefox 19 ou +IE9 ou +
x