RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO
1º Semestre de 2017

Baixe aqui o relatório na versão completa em PDF.

"O Banco do Nordeste prioriza programas e projetos de investimentos que proporcionem retornos sociais e privados que gerem externalidades positivas para sociedade e que atendam aos objetivos de redução das desigualdades regionais e do desenvolvimento sustentável para a Região.

É assim que, preparando-se para os desafios do amanhã, o BNB completa 65 anos de muito trabalho, cujo resultado reflete o esforço de seus funcionários e colaboradores, entusiasmados em fazer a diferença nos 65 anos que estão por vir."

Marcos Costa Holanda
Presidente do Banco do Nordeste

PALAVRA DO PRESIDENTE

Em resumo, o Banco do Nordeste prioriza programas e projetos de investimentos que proporcionem retornos sociais e privados que gerem externalidades positivas para sociedade e que atendam aos objetivos de redução das desigualdades regionais e do desenvolvimento sustentável para a Região.

 

É assim que, preparando-se para os desafios do amanhã, o BNB completa 65 anos de muito trabalho, cujo resultado reflete o esforço de seus funcionários e colaboradores, entusiasmados em fazer a diferença nos 65 anos que estão por vir.

 

Marcos Costa Holanda

Presidente

MODELO DE NEGÓCIOS

MODELO DE NEGÓCIOS

O Banco do Nordeste (BNB) aplica recursos na Região por meio de operações de financiamento e oferece diversos outros produtos e serviços financeiros aos agentes econômicos, visando produzir resultados que promovam a sua sustentabilidade empresarial e o desenvolvimento da sua área básica de atuação. O Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) é a principal fonte de recursos utilizada pelo Banco, recurso público destinado ao financiamento de longo prazo das atividades produtivas da região Nordeste e do norte dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo.

O Banco viabiliza os seguintes canais de atendimento presencial, à distância e digital, além da rede de agências, para consolidar presença na sua área de atuação, intensificando e aprofundando o relacionamento com os clientes, potencializando a realização da missão, visão e a ampliação de seus negócios:

  • Agência Itinerante;
  • Posto de Atendimento (PA);
  • FNE Itinerante;
  • Unidade de Atendimento do Agroamigo e do Crediamigo;
  • Autoatendimento com Rede Própria ou Compartilhada com a Tecnologia Bancária (Tecban) e o Banco do Brasil;
  • Internet Banking e Mobile Banking;
  • Centro de Relacionamento com Clientes e de Informação ao Cidadão (CRCIC);
  • Ouvidoria.

2.1 Desenvolvimento Regional

Destaca-se durante o primeiro semestre, a estruturação pelo Etene da proposta do Fórum Banco do Nordeste de Médias Cidades, o chamado G20+20, iniciativa lançada com o objetivo de construir uma plataforma de governança das 40 cidades médias localizadas na área de atuação do Banco, que permita criar sinergia para viabilizar capacitações técnicas, tecnológicas e gerenciais, trocar experiências e compartilhar práticas bem sucedidas e criar um ambiente de estruturação de negócios, identificando fontes de recursos para investimentos, principalmente ligados à infraestrutura urbana.

 

2.2 Fundos Científicos, Tecnológicos e de Desenvolvimento

No 1º Semestre de 2017, o Banco do Nordeste apoiou com recursos do Fundeci 8 (oito) convênios, totalizando R$ 1,0 milhão, destacando-se as seguintes pesquisas: a) Apoio a Incubadoras do Parque de Desenvolvimento Tecnológico (Padetec) e ao Desenvolvimento de Produtos Inovadores Passíveis de Patenteamento; b) Monitoramento de Resíduos Agrotóxicos em Municípios da Serra da Ibiapaba e Disseminação de Métodos de Produção Agroecológica; c) Avaliação de Tecnologias para Tratamento da Fração Orgânica do Resíduo Sólido Urbano (Forsu); e d) Validação e Difusão de Tecnologia para Tratamento de Água no Semiárido.

2.3 Sustentabilidade

  • Contratação de 5.678 operações de financiamento relacionadas ao meio ambiente e à inovação, alcançando o montante de R$ 129,7 milhões por meio dos programas ambientais FNE Verde, Pronaf Semiárido, Pronaf Floresta, Pronaf Eco e Pronaf Agroecologia, além de R$ 36,5 milhões aplicados com recursos do programa FNE Inovação, no primeiro semestre de 2017, conforme mostrado na Tabela 1.

 

Tabela 1 - FNE – Programas Ambientais e de Inovação

(Em R$ milhões)

Programa  *2016 *2017 Variação
  Qtde Valor Qtde Valor Valor
FNE Verde 37 67,3 148 33,5 -50,2%
PRONAF 4.917 80,5 5.511 96,2 19,5%
FNE Inovação 8 97,9 19 36,5 -62,7%
Total 4.962 245,7 5.678  166,2 -32,4%
Fonte: Ambiente de Controle Financeiro de Operações de Crédito
* Os dados se referem ao primeiro semestre de cada ano.

 

2.4 Política de Desenvolvimento Territorial

No primeiro semestre de 2017 foram incluídos 50 novos territórios no Prodeter. Essa expansão significativa foi aprovada como um Projeto do Plano Estratégico do Banco para 2017.

2.5 Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC)

A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) tem importante papel no modelo de negócio do Banco do Nordeste, sendo o elo entre a estratégia corporativa e os produtos e serviços disponibilizados aos clientes. O montante aplicado no primeiro semestre de 2017, em TIC, totalizou R$ 125,6 milhões. A modernização realizada, por meio de investimento em TIC tem levado o Banco a constante melhoria e expansão de seu atendimento aos clientes, com a implantação de novos e mais modernos canais de relacionamento digital. Assim sendo, no primeiro semestre de 2017, do volume total de transações do Banco, aproximadamente 80% foram realizadas via canais alternativos.

 

Gráfico 1 – Quantidade de Transações Bancárias por Canal

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL

3.1 Planejamento Empresarial

O Banco adota o modelo de Gestão para Resultados (GpR) em seu planejamento empresarial. Um dos principais pressupostos da metodologia é a necessidade de escutar a sociedade para a construção da realidade e da estratégia a ser adotada pela empresa, bem como o envolvimento de todos da organização para o seu alcance.

Com isto, a atuação da empresa prioriza os resultados em todas as suas ações, que se encontram intimamente relacionados com o desenvolvimento da sua área de atuação, também refletidos na sua missão e visão:

Missão: “Atuar como o banco de desenvolvimento da região Nordeste”.

Visão: “Ser o Banco preferido do Nordeste, reconhecido pela sua capacidade de promover o bem estar das famílias e a competitividade das empresas da Região”.

A implementação e o êxito da estratégia empresarial são sustentados na empresa pelos princípios do seu planejamento, que são: Meritocracia, Foco nos Clientes e Resultados, Inovação e Integridade.

O Banco do Nordeste também considerou no seu planejamento estratégico a agenda formulada pela Cúpula das Naçoes Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, alinhando seus resultados e impactos almejados com seis Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS):

Quadro 1 - Alinhamento dos Resultados e Impactos aos ODS

Resultado / Impacto

Objetivos ODS

Inclusão Financeira

Erradicação da pobreza

Solidez e Sustentabilidade

Parcerias em prol das metas

Crédito Espacialmente e setorialmente distribuído

Emprego digno e crescimento econômico

Geração de Emprego e Renda

Emprego digno e crescimento econômico

Redução de Desigualdades

Redução das desigualdades

Competitividade das Empresas Nordestinas

Indústria, Inovação e Infraestrutura

Sustentabilidade Ambiental

Cidades e comunidades sustentáveis

Fonte: Diretoria de Planejamento - Superintendência de Estratégia e Organização

 

Para a comunicação da estratégia com o envolvimento de todos, o Banco adota o Mapa Estratégico, uma representação gráfica de sua estratégia, que considera as dimensões do resultado de eficiência, eficácia e efetividade, os elementos estratégicos de insumos, atividades, produtos, resultados e impactos e os embasamentos na ética, integridade, monitoramento e avaliação.

Figura 1 – Mapa Estratégico

Fonte: Diretoria de Planejamento – Superintendência de Estratégia e Organização

 

3.2 Resultados - 1º Semestre de 2017

 

Em 2017, conforme estabelecido no planejamento empresarial, foram alcançados resultados de efetividade medidos pelos seguintes aspectos:

  • Inclusão Financeira:
  • Crédito espacialmente e setorialmente distribuído:
  • Solidez e Sustentabilidade:

3.3 Desafios 2017

Para 2017, o Plano de Aplicações do FNE aprovado pelo Conselho Deliberativo da Sudene (Condel/Sudene) prevê recursos da ordem de R$ 26,1 bilhões, sendo R$ 11,4 bilhões em programação específica para financiamento a projetos de infraestrutura econômica e R$ 14,7 bilhões em programação padrão setorial, com a projeção de financiamento por estado e setor de atividade apresentada na Tabela 2.

 

Tabela 2 - FNE 2017: Projeção de Financiamento por Estado e Setor de Atividade (R$ milhões)

UF/ SETOR

Agricultura (1)  (2)

Pecuária   (2)   (3)

Indústria (1)

Agroin-dústria (2) (4)

Turismo

Com. & Serv. (1)

Infraestrutura (4)

TOTAL

[%] UF

AL

130,0

120,0

190,0

20,0

100,0

140,0

-

700,0

4,8

BA

1.180,0

525,0

600,0

30,0

140,0

850,0

-

3.325,0

22,6

CE

200,0

365,0

770,0

15,0

110,0

760,0

-

2.220,0

15,1

ES

65,0

50,0

170,0

15,0

10,0

60,0

-

370,0

2,5

MA

440,0

435,0

245,0

20,0

25,0

290,0

-

1.455,0

9,9

MG

200,0

250,0

100,0

5,0

5,0

230,0

-

790,0

5,4

PB

50,0

190,0

200,0

20,0

95,0

275,0

-

830,0

5,7

PE

255,0

300,0

450,0

100,0

170,0

505,0

310,0

2.090,0

14,2

PI

590,0

205,0

30,0

15,0

115,0

325,0

-

1.280,0

8,7

RN

75,0

170,0

140,0

15,0

55,0

300,0

220,0

975,0

6,6

SE

110,0

125,0

130,0

20,0

30,0

200,0

50,0

665,0

4,5

 SUB TOTAL

 3.295,0

 2.735,0

 3.025,0

    275,0

    855,0

3.935,0

    580,0

 14.700,0

100,0

[%] Setor

22,4

18,6

20,6

1,9

5,8

26,8

3,9

100,0

 

SUB TOTAL PROGRAMAÇÃO ESPECÍFICA DE INFRA ESTRUTURA

11.400,0

 

TOTAL DA PROGRAMAÇÃO FNE

26.100,0

 

Fonte: Diretoria de Planejamento - Superintendência de Políticas de Desenvolvimento (Programação do FNE para 2017 - Banco do Nordeste).

 

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA

4.1 Estrutura Estatutária

Figura 2 – Estrutura de Governança Corporativa do Banco do Nordeste

Fonte: Diretoria de Planejamento – Superintendência de Estratégia e Organização

 

4.2 Comitês e Comissões

Em alinhamento às práticas adotadas no mercado e com o propósito de envolver todos os gestores na definição de estratégias e na aprovação de propostas para os diferentes negócios, o Banco do Nordeste tem normalizadas as definições relativas às alçadas administrativas e às atribuições, assim como a composição e as regras de funcionamento de todos os seus colegiados não estatutários, responsáveis por decisões administrativas, mantendo as seguintes instâncias decisórias colegiadas:

  1. Comitês Corporativos:
  2. Comissões Estratégicas:
  3. Subcomitês:
  4. Comitês Gestores de Unidades:

4.3 Controles Internos

A Estrutura de Controles Internos do Banco do Nordeste tem como pilares as boas práticas de governança corporativa; a integridade das pessoas e seus valores éticos; compromisso de seus empregados em atuar com competência e com ampla transparência; estrutura organizacional que garante a segregação de funções e que possibilita a adequada delegação de autoridade e atribuições; além das políticas e práticas de gestão de riscos de controles internos.

O Banco do Nordeste também se diferencia das demais instituições financeiras do País pela missão que tem a cumprir: "atuar como o Banco de desenvolvimento da região Nordeste". Para isso, entende ser fundamental difundir seus princípios de integridade, ética e de transparência entre nossos clientes, fornecedores, parceiros e partes relacionadas.

4.4 Relacionamentos

Relacionamento com cliente

O Banco do Nordeste prima pela qualidade do relacionamento com seus clientes, disponibilizando diversos canais de relacionamento:

De acordo com o Banco Central, o Banco do Nordeste é a empresa com menor número de reclamações entre os bancos com mais de 4 milhões de clientes. O ranking é formado a partir das demandas registradas pelo público e considera bancos comerciais, múltiplos, cooperativos, de investimento, filiais dos bancos estrangeiros, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento (SCFI) e administradoras de consórcio.

Relacionamento com sociedade

Patrocínios- Do total de recursos pagos aos projetos patrocinados no 1º semestre de 2017 perfizeram um total de 57,6% para ações culturais e 42,4% para ações institucionais/mercadológicos. Foi apoiado um total de 34 projetos culturais no valor de R$ 1.272.497,00, sendo 31 projetos com base na Lei Rouanet, e 64 projetos institucional-mercadológicos no valor total pago no primeiro semestre de 2017 de R$ 936.914,88, conforme apresentado na Tabela 3, a seguir.

 

Tabela 3 – Patrocínio – 1º Semestre de 2017

Modalidade

Fonte

Projetos

Patrocínio (R$)

%

Cultura e Audiovisual

 

34

1.272.497,00

57,6

Edital Cultural

Lei Rouanet

25

884.305,00

40,0

Escolha Direta

Lei Rouanet

6

338.192,00

15,3

Escolha Direta

Rec. Orçamentários

3

50.000,00

2,3

Institucional-mercadológico

 

64

936.914,88

42,4

Edital Mercadológico

Rec. Orçamentários

23

355.000,00

16,1

Escolha Direta

Rec. Orçamentários

41

581.914,88

26,3

Total geral

 

98

2.209.411,88

 

Fonte: Presidência – Superintendência de Marketing e Comunicação

 

 

Cultura - Os seus três Centros Culturais localizados em Fortaleza e Cariri, no Ceará, e em Sousa, na Paraíba, ofertam às comunidades onde estão inseridos, espaços democráticos para apreciação das diversas áreas das artes, mediante realização de programação gratuita, além de promover a formação de plateias e o incentivo ao desenvolvimento de profissional de agentes culturais locais e regionais. No 1º semestre de 2017, as ações culturais nas áreas de artes cênicas (teatro), artes visuais, cinema, literatura, música, oficina de formação, atividades infantis e tradição cultural, alcançaram público estimado de 177 mil pessoas.

Relacionamento com empregados

O Banco do Nordeste encerrou o primeiro semestre de 2017 com 7.187 empregados, 376 Bolsistas de Nível Médio, 731 Bolsistas de Nível Superior e 431 Jovens Aprendizes em seu quadro. Foram ofertadas 16.288 oportunidades de capacitação, sendo 13.674 referentes à Comunidade Virtual de Aprendizagem (educação à distância), 2.502 em cursos presenciais e 112 oportunidades de educação formal.

GESTÃO DE RISCOS

GESTÃO DE RISCOS

A estrutura organizacional de gerenciamento de riscos, controles internos e segurança corporativa apresenta-se unificada no nível estratégico e específica quanto às suas unidades negociais e de suporte, observando o princípio da segregação das atividades. As unidades e suas responsabilidades básicas referentes à gestão de riscos, controles internos e segurança corporativa encontram-se descritas a seguir:

  • Conselho de Administração
  • Diretoria Executiva
  • Diretoria de Controle e Risco
  • Comitê de Gestão de Riscos
  • Subcomitê Tático-Operacional de Gestão de Riscos
  • Superintendência de Controles Internos, Segurança e Gestão de Riscos -          
  • Ambiente de Gestão de Riscos –
  • Unidades gestoras dos produtos, serviços, sistemas e processos expostos aos riscos de crédito, mercado, liquidez e operacional.

DESEMPENHO

DESEMPENHO

6.1 Desempenho econômico-financeiro

Ativos Totais

De acordo com a Tabela 4, os saldos totais de ativos do FNE, na posição de 30/06/2017 apresentaram crescimento de 12,0%, comparativamente ao final do primeiro semestre de 2016. Durante o primeiro semestre de 2017, ingressou no patrimônio do FNE um total de R$ 3,8 bilhões, contra R$ 3,5 bilhões ingressados no mesmo período de 2016. Ao serem comparadas as posições de 30.06.2016 e 30.06.2017, percebe-se um acréscimo de 1,7% nos saldos de aplicações em operações de crédito do FNE e de 46,7% no conjunto das disponibilidades e recursos comprometidos.

 

Tabela 4 – Ativos Globais (R$ milhões)

Especificação

BNB

 

FNE

30.06.2016

30.06.2017

 

30.06.2016

30.06.2017

Disponibilidades, (*) Aplicações Interfinanceiras e TVM........................

27.135,4

35.584,5

 

8.749,8

14.451,3

Recursos Comprometidos com Operações de Crédito........................

0,0

0,0

 

5.457,7

6.398,2

Relações Interfinanceiras....................

316,0

575,1

 

2.104,6

2.317,9

Operações de Crédito........................

11.413,7

10.154,4

 

47.149,1

47.941,4

Outros Créditos.................................

3.550,2

4.073,0

 

8,8

8,9

Outros Valores e Bens.......................

35,1

22,8

 

1,0

0,8

Permanente.......................................

230,3

204,9

 

0,0

0,0

Total

42.680,7

50.614,7

 

63.471,0

71.118,5

(*) Nas disponibilidades do BNB estão incluídos os recursos disponíveis e os comprometidos com op. de crédito do FNE

Fonte: Diretoria de Controle e Risco - Superintendência de Controle Financeiro

 

Títulos e Valores Mobiliários

 

O saldo da carteira de Títulos e Valores Mobiliários, na posição 30/06/2017, corresponde a R$ 25,1 bilhões.

 

Disponibilidades do FNE

 

O saldo das disponibilidades do FNE cresceu de R$ 8,8 bilhões em junho de 2016 para R$ 14,5 bilhões em junho de 2017. O saldo dos recursos comprometidos com operações de crédito teve elevação de 16,4%, saindo de R$ 5,5 bilhões em junho de 2016 para R$ 6,4 bilhões em junho de 2017.

 

Captação de recursos

O Banco do Nordeste apresentou, em 30/06/2017, um saldo de captação de recursos de R$ 8,9 bilhões, registrando crescimento nominal de 0,8% (R$ 68,5 milhões) em relação ao saldo apresentado em dezembro/2016.

 

Gestão de Fundos de Investimento

No primeiro semestre de 2017, o patrimônio líquido dos fundos de investimento alcançou o saldo de R$ 5.755,85 milhões, um crescimento de 6,16% em relação ao final de 2016.

 

Patrimônio Líquido e Resultados

O Banco do Nordeste apresentou, em 30/06/2017, um Patrimônio Líquido de R$ 3,3 bilhões. O Capital Social importava em R$ 2,8 bilhões representado por 86.371.464 ações escriturais ordinárias, sem valor nominal, integralizadas. A rentabilidade sobre o Patrimônio Líquido médio, no primeiro semestre de 2017, foi de 18,3% a.a.

 

Índice de Adequação Patrimonial

houve uma melhora significativa com relação ao cumprimento dos requerimentos mínimos de capital estipulados no Basileia III, o que vem garantindo ao Banco uma boa margem para continuar expandindo os seus negócios. A situação do Banco frente a esses requerimentos, na posição de 30/06/2017, pode ser apreciada na Tabela 6, a seguir:

Tabela 6 – Requerimentos Mínimos de Capital (R$ milhões)

Especificação 

30.06.2016

30.06.2017

Patrimônio de Referência (PR)

4.648

5.958

. Nível I

2.802

3.861

. Nível II

1.846

2.097

Ativos Ponderados por Risco (RWA)

36.973

38.731

Valor do RBAN

2.396

2.996

Margem sobre o ACP Requerido

353

1.053

Índices de Basileia:

   

. Índice de Capital Principal (Requerimento mínimo de 4,5%)

7,58%

9,97%

. Índice de Nível I (Requerimento mínimo de 6,0%)

7,58%

9,97%

. Índice de Basileia (Requerimento mínimo de 9,25%) (*)

12,57%

15,38%

. Índice de Basileia incluindo RBAN

11,81%

14,28%

(*) O requerimento mínimo do Índice de Basileia era de 9,875% em  junho/2016.

Fonte: Diretoria de Controle e Risco – Superintendência de Controle Financeiro

 

6.2 Desempenho Operacional

 

Volume de Contratações

No primeiro semestre de 2017, o Banco do Nordeste contratou aproximadamente 2,4 milhões de operações de financiamentos de longo prazo e empréstimos de curto prazo. Essa quantidade correspondeu ao montante de R$ 11,2 bilhões, apresentando crescimento de 3,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. Desse valor, R$ 6,7 bilhões (59,8%) referem-se às operações de longo prazo e englobam investimentos rurais, industriais, agroindustriais, infraestrutura, comércio e serviços. Os valores e quantidades de contratações de longo prazo e curto prazo são detalhados na Tabela 7, a seguir:

 

Tabela 7 - Contratações de Operações de Crédito (R$ milhões)

Tipo

1º semestre de 2016

1º semestre de 2017

Variação Valor

Qtde

Valor

Qtde

Valor

Longo Prazo

280.028

5.790,6

296.082

6.748,4

16,5%

Curto Prazo

2.240.950

5.035,7

2.063.693

4.469,6

-11,2%

Total

2.520.978

10.826,3

2.359.775

11.218,0

3,6%

Fonte: Diretoria de Controle e Risco – Superintendência de Controle Financeiro

 

 

As contratações com recursos oriundos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) representaram 94,6% das contratações de Longo Prazo e atingiram o montante de R$ 6,4 bilhões, com crescimento de 19,2% em relação ao primeiro semestre de 2016. (Tabela 8)

 

Tabela 8 - Contratações de Longo Prazo (R$ milhões)

Fonte

1º semestre de 2016

1º semestre de 2017

Variação Valor

Qtde

Valor

Qtde

Valor

FNE

270.902

5.358,7

286.294

6.387,0

19,2%

Demais

9.126

431,9

9.788

361,4

-16,3%

Total

280.028

5.790,6

296.082

6.748,4

16,5%

Fonte: Diretoria de Controle e Risco – Superintendência de Controle Financeiro

 

Gráfico 2 - Contratações de Empréstimos de Curto Prazo no 1º semestre de 2017 por Produto (R$ milhões)

Fonte: Diretoria de Controle e Risco – Superintendência de Controle Financeiro

 

 

Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE)

O Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) é a principal fonte de recursos financeiros do BNB, previsto na Constituição Federal e regulamentado pela Lei nº 7.827/1989.

As contratações contemplaram financiamentos a produtores rurais, empreendedores individuais e empresas de 1.983 municípios da área financiável pelo FNE, uma cobertura de 99,6% da área regional de atuação, com valor médio por operação de R$ 18,4 mil e distribuição por estado, conforme apresentado na Tabela 10 a seguir.

 

Tabela 10 - BNB/FNE 2017: Financiamentos*, Total e por Estado (R$ milhões) Jan a Jun

UF

Valor Contratado (R$ mil)

Vr Contrat%

Estimativa Populacional 2016

Pop%

PIB (R$ mil) 2014

PIB%

AL

                164.360,5

3,1

                3.358.963

             5,5

              40.974.994

         4,8

BA

             1.485.594,2

28,2

              15.276.566

           25,1

            223.929.966

       26,2

CE

                642.468,5

12,2

                8.963.663

           14,7

            126.054.472

       14,7

MA

                651.435,7

12,3

                6.954.036

           11,4

              76.842.028

         9,0

PB

                342.204,6

6,5

                3.999.415

             6,6

              52.936.483

         6,2

PE

                646.130,2

12,2

                9.410.336

           15,5

            155.142.648

       18,1

PI

                453.514,9

8,6

                3.212.180

             5,3

              37.723.497

         4,4

RN

                326.524,3

6,2

                3.474.998

             5,7

              54.022.584

         6,3

SE

                219.048,7

4,2

                2.265.779

             3,7

              37.472.432

         4,4

Norte do ES

                  59.808,1

1,1

                   941.404

             1,5

              18.298.397

         2,1

Norte de MG

                285.239,9

5,4

                2.925.653

             4,8

              32.765.542

         3,8

Total geral

5.276.329,6

100,0

              60.782.993

100,0

            856.163.043

100,0

Fontes: Diretoria de Controle e Risco  - Superintendência de Controle Financeiro /
Diretoria de Planejamento – Superintendência de Políticas de Desenvolvimento. (*) Exceto Setor de Infraestrutura

 

Em termos comparativos com o primeiro semestre de 2016, se verifica os severos efeitos efeitos restritores do contexto econômico, com reduções nos setores Rural, Indústria e Turismo, que registraram em relação àquele período redução de 23,7, 24,5% e 43,6%, respectivamente. Por outro lado, os empreendimentos de Comércio e Serviços registraram expressiva elevação de volume contratado, da ordem de 73,3%. (Tabela 11)

Gráfico 3 - BNB/FNE 2017: Financiamentos por Estado (R$ milhões) – Jan a Jun

Fontes: Diretoria de Controle e Risco - Superintendência de Controle Financeiro / Diretoria de Planejamento – Superintendência de Políticas de Desenvolvimento. (*) Exceto Setor de Infraestrutura

 

Gráfico 4 - BNB/FNE 2017: Financiamentos por Porte de Beneficiário (R$ milhões) – Jan a Jun

Fonte: Diretoria de Planejamento – Superintendência de Políticas de Desenvolvimento

 

Tabela 11 – FNE 2017: Contratações por Setor Econômico (exceto Infraestrutura)

Setor

2016 (jan-jun)

2017 (jan-jun)

Variação Valor [%]
2017/2016

Quant.

Valor (R$ mil)

Quant.

Valor (R$ mil)

Rural

257.342

3.324,5

270.807

2.537,6

-23,7

Comércio e Serviços

11.799

1.279,3

13.670

2.217,1

73,3

Industrial

1.465

500,9

1.551

378,4

-24,5

Turismo

296

254,1

260

143,3

-43,6

Total

270.902

5.358,7

286.288

5.276,4

-                1,5

Fonte: Diretoria de Controle e Risco - Superintendência Controle Financeiro
Elaboração: Diretoria de Planejamento/Superintendência de Políticas de Desenvolvimento           

 

 

Eficiência Operacional

Em relação à eficiência operacional no primeiro semestre de 2017, quando se compara a gestão conjunta da margem da intermediação financeira e das receitas prestação de serviços, em contraponto à gestão das despesas administrativas,  registra-se desempenho de 5,5% aquém do obtido no mesmo período do ano anterior (76,6% em 2017, contra 71,1% em 2016)

A despeito do cenário macroeconômico adverso, o Banco apresentou resultado positivo em receitas de prestação de serviços, as quais atingiram o montante de R$ 1.194,6 milhões no primeiro semestre de 2017, com um acréscimo de R$ 87,0 milhões em relação ao mesmo período de 2016.

 

6.3 Desempenho por Segmento

Agricultura Familiar

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) é o programa do Governo Federal que apoia o segmento econômico da agricultura familiar. O Banco do Nordeste é o principal agente financeiro do Pronaf no Nordeste, contando com uma carteira ativa no valor de R$ 8,37 bilhões, o que corresponde a 1,73 milhão de operações.

Programa de Crédito Fundiário

No primeiro semestre de 2017, pelo programa Combate à Pobreza Rural, foram contratadas 156 operações, envolvendo recursos da ordem de R$ 5,6 milhões do SAT e R$ 2,4 milhões, correspondente a 15 financiamentos do SIC. Já no programa de Consolidação da Agricultura Familiar (CAF), foram contratadas 7 operações, no valor total de R$ 408,8 mil (Tabela 12).

 

Tabela 12 - Crédito Fundiário (R$ milhões)

Subprojeto/Programa

Operações

Valor (R$ milhões)

CPR-Subprojeto de Aquisição de Terras (SAT)

156

5,6

Subprojeto de Investimentos Comunitários (SIC)

15

 

2,4

Programa Consolidação da Agricultura Familiar (CAF)

7

0,4

Total

167

8,4

                  Fonte: Diretoria de Negócios - Superintendência de Microfinança e Agricultura Familiar
 

Pequeno e Miniprodutor Rural

A distribuição de financiamentos por estado é apresentada na Tabela 13, a seguir, com realce para os estados da Bahia e do Maranhão com participações de 26% e 21% do total dos recursos aplicados no primeiro semestre de 2017.

 

Tabela 13 – Distribuição dos recursos aplicados FNE PMPR por estado (R$ Milhões)

 

ESTADO

QTD OPER

META PARCIAL (JAN A JUN/2017)

VALORES CONTRATADOS

% REALIZADO

% PARTICIPAÇÃO

AL

185

20.000

20.470

102,35%

4%

BA

522

127.500

139.328

109,28%

26%

CE

371

55.000

36.856

67,01%

7%

MA

510

95.000

114.729

120,77%

21%

MG/ES

221

60.000

64.087

106,81%

12%

PB

153

17.500

17.894

102,25%

3%

PE

256

42.500

37.020

87,11%

7%

PI

255

40.000

31.092

77,73%

6%

RN

138

17.500

13.938

79,64%

3%

SE

529

45.000

62.687

139,30%

12%

TOTAL

       3140

                520.000

                538.100

        103,48%

                   100%

Fonte: Diretoria de Controle e Risco - Superintendência de Controle Financeiro

 

Microempreendedor Rural - Agroamigo

No primeiro semestre de 2017, o Banco do Nordeste financiou pelo Agroamigo R$ 1,05 bilhão, o que representa um crescimento de 5,56% em relação aos valores contratados no primeiro semestre de 2016.

 

Microempreendedor Urbano - Crediamigo

O Banco do Nordeste atua no segmento de microfinança urbana por meio do Programa Crediamigo que está presente em 1.989 municípios da região Nordeste, norte de Minas Gerais e do Espírito Santo e possui 460 unidades e postos de atendimento. Até o mês de junho 2017 foram desembolsados o montante de R$ 3,8 bilhões beneficiando cerca de dois milhões de clientes com empréstimos ativos.

 

Micro e Pequena Empresa

O Banco do Nordeste, no 1° Semestre de 2017, contratou 13.232 operações com micro e pequenas empresas (segmento com faturamento de até R$3,6 milhões), representando o montante de R$ 1.072,3 milhões financiados com recursos do FNE, correspondendo a um crescimento de 12,5% com relação ao mesmo período do ano passado. Aplicando-se recursos do FNE e Recin, foram contratados R$ 1.217,3 milhões, nos 6 primeiros meses do ano, atendendo 11.746 micro e pequenas empresas em 27.376 operações de crédito.

 

Empresarial

O segmento Empresarial é composto por empresas de pequeno-médio, médio e grande portes, abrangendo as pessoas jurídicas com faturamento anual superior a R$ 3,6 milhões até R$ 200,0 milhões. Ao final do primeiro semestre de 2017, com relação aos clientes inseridos nas carteiras Empresariais e Atendimento Clientes Empresariais, o Banco alcançou o quantitativo de 8.297 clientes, apresentando um incremento de 8% em relação à base de clientes existentes ao final de 2016.

 

Corporate

O segmento Corporate é composto por empresas com faturamento anual superior a R$ 200 milhões e fechou o semestre com 656 clientes. O segmento encerrou o 1º semestre/2017 com aplicações da ordem de R$ 671,8 milhões. No âmbito das operações de crédito de longo prazo foram contratados R$ 436,1 milhões com recursos oriundos do FNE. Já as operações de crédito de curto prazo (Recursos Internos e Externos) totalizaram contratações no montante de R$ 235,7 milhões.

 

Agronegócio Pessoa Física

O Banco do Nordeste tem atuação destacada no apoio ao Agronegócio, contribuindo fortemente para o crescimento e consolidação do setor. A modalidade de financiamento do programa Planta Nordeste (custeio rotativo) é o grande diferencial em termos de ferramenta operacional, pois além de figurar como mitigador de risco, proporciona agilidade na contratação das operações de custeio, inclusive recria e engorda.

 

Gráfico 5 – Distribuição dos recursos aplicados FNE Agronegócio por tipo de cliente (R$ milhões)

Fonte: Diretoria de Controle e Risco - Superintendência de Controle Financeiro

 

Pessoa Física

O Segmento Pessoa Física, destinado a atender as demandas de pessoas físicas assalariadas e sócios e empregados de empresas clientes do Banco, finalizou o primeiro semestre de 2017 com saldo médio de R$ 248 milhões em operações de Crédito Comercial e alcançou a marca de R$ 1,6 bilhão em saldo médio de aplicações financeiras.

 

Governo

Ao final do primeiro semestre de 2017, a carteira de governo, composta por 1.941 clientes, atingiu R$ 1,32 bilhão em saldo devedor de operações de crédito e saldo médio de R$ 1,01 bilhão em aplicações financeiras.

 

6.4 Recuperação de Crédito

No semestre 2017.1 foram recuperados mais que R$ 2,6 bilhões de créditos inadimplidos, dentre os quais R$ 352,9 milhões foram recebidos em espécie. Este montante importou na regularização de 92.106 operações cuja fonte de recursos é o FNE e 12.976 operações com outras fontes.

PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MÉDICA

PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MÉDICA

 

7.1 Camed

A Caixa de Assistência Médica dos Funcionários do Banco do Nordeste (Camed Saude), criada em 1979, é integrante do Grupo Camed, em conjunto com a  Camed Administradora e Corretora de Seguros Ltda. e a Creche Paulo VI. A Camed Saúde dispõe de uma carteira de 38.525 beneficiários e está presente nas regiões Nordeste e Sudeste, norte de Minas, além do Distrito Federal.  A receita operacional acumulada estimada da Camed Saúde para o primeiro semestre de 2017 é de R$ 99 milhões, ficando superior em 6% quando comparada com o mesmo período do ano de 2016, representando um incremento de R$ 5,6 milhões.

 

7.2 Capef

A Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Nordeste (Capef) é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC), criada em 1967, que administra um patrimônio de investimento de R$ 4,19 bilhões na posição de 30/06/2017.