O Banco do Nordeste, com o objetivo de cumprir sua missão de desenvolvimento, integra à sua prática cotidiana os princípios éticos que norteiam a atuação de empresas socialmente responsáveis, gerando frutos para empregados e sociedade em geral e proporcionando a construção do bem-estar comum.

Mais do que isso, o Banco do Nordeste promove a internalização do conceito de responsabilidade socioambiental em sua cultura, com a finalidade de preencher espaços ainda não ocupados e de se inserir na vanguarda das instituições que fazem do Brasil um dos líderes na prática da cidadania corporativa.

Conheça a ações de responsabilidade socioambiental e os seus resultados, que trazem o desenvolvimento sustentável para toda a região.

 


Últimas notícias por assunto


Voltar

Grupo artístico conscientiza crianças para o enfrentamento da violência sexual

03/06/2014 - Com apoio do Banco do Nordeste, o Grupo Cultural Axé de Kilú – G.CAK realiza o projeto “Multiplicar para Enfrentar”, ação de enfrentamento às diversas formas de violações dos direitos humanos de crianças e adolescentes, proporcionando a este público atividades nas áreas de cultura, cidadania e direitos humanos.

O projeto atende a mais de 150 crianças e adolescentes, com a realização de oficinas e palestras em sua sede, que fica no bairro Santa Tereza, na cidade de Olinda e no Clube das Mães, como também em comunidades vizinhas, como Ponte Preta e Vila Popular.

O grupo busca canalizar forças e fornecer subsídios para a prevenção e enfrentamento ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, já que esse é considerado o mais difícil a ser enfrentado, exercitando a cidadania como direito de todos.

“Nós do G.CAK percebemos que a comunidade de Santa Tereza apresenta altos índices de abuso e exploração sexual, e a maioria desses agressores é formada por pessoas próximas à vítima. Para tentar amenizar essa situação, o projeto promove ações socioeducativas, monitora e encaminha os casos de violação de direitos aos órgãos competentes”, declarou Rubem Tavares, coordenador pedagógico do projeto.

A violência sexual é considerada, nas situações de abuso, violação e assédio sexual. É crime na forma da lei com sanções previstas no Código Penal e no Estatuto da Criança e do Adolescente.

O grupo também realiza atividades como roda de diálogos para alertar a comunidade sobre a situação. Duas vezes por semana ocorre evento, onde os jovens assistem a um vídeo relacionado ao tema do projeto seguido de um debate. Além dessas atividades, o G.CAK realiza oficinas de percussão para 20 crianças três vezes por semana.