III Fórum de Integridade e Ética III Fórum de Integridade e Ética


Banner com Imagens e textos descritivos do III Fórum de Integridade e Ética do Banco do Nordeste.


Objetivo

Construir diálogo entre as instituições do governo, instituições bancárias e de mercado para a atual ambiência de governança no Brasil. 

Publico Alvo

Autoridades e técnicos do governo: de Órgãos de Controle Externo (TCU/CGU) e Administradores, Autoridades e técnicos de bancos e empresas privadas e públicas.

Metodologia

  • Diálogo: a arte de pensar juntos. Criar ambiência de abertura para que o compartilhamento seja livre e provoquem reflexões construídas pela conversação, produto desta abertura.
  • Prática: apresentação de práticas na visão de cada uma das partes envolvidas no processo de governança no Brasil, com posterior diálogo orientados por pontos focais.

Inovação e legado, palavras aparentemente opostas, mas essencialmente complementares.

Pensar sobre esta complementariedade ampliará a compreensão da evolução em gestão empresarial responsável. Com este propósito, selecionamos este tema para dialogarmos no nosso III Fórum de Integridade e Ética do Banco do Nordeste.

O legado é um ideário construído a partir da consolidação das ideias definidas estrategicamente na alta gestão. O alcance dos resultados pela efetivação dessas ideias são inseridas na cultura organizacional. A inovação é atitude também gerada por decisão estratégica, que da mesma forma, quando exitosa, será incorporada pelo legado a cada sucesso alcançado. Neste movimento pendular entre legado e inovação, temos a geração de ciclos virtuosos nas empresas.

Poderíamos considerar que o legado pode conter a inovação como princípio?

A esta reflexão seguem-se outras: as premissas do legado conseguirão manter-se frente ao frenesi que nossa humanidade vem passando? Como preparar as pessoas e lideranças das organizações neste movimento frenético? Como aumentar a capacidade de reinvenção permanente das organizações, sem perder a essência do legado? Inovar é importante quando falamos em governança corporativa?
Os legados absorverão como princípio a Governança Corporativa como inovação?

A Governança Corporativa assume papel de legado nas organizações? Qual será a estratégia essencial?

Será que a governança corporativa promove inovação? Inovar é movimento de atenção difusa, no qual tentativa, erro e ajustes fazem parte do processo. Os erros corrigidos poderão gerar oportunidades de criação e realinhamento. Lidar proativamente com as falhas é a essência da inovação como também do processo de compliance.

Nesta perspectiva podermos considerar a Governança Corporativa como sistema e mecanismos de controle de erros e falhas inovador, se abrirmos o espectro e observar como a Governança Corporativa pode promover também o aprimoramento da gestão para construção de empresas mais responsáveis.

A estratégia essencial seria conhecer a fundo a cultura organizacional existente, consolidada a partir da ambiência vivenciada no dia-a-dia organizacional?

Diante dos inúmeros desafios que a atual conjuntura de mudanças apresenta, criar e manter a cultura de inovação tornou-se atitude prioritária nas empresas. Debater sobre estes temas tornará as empresas mais fortes e preparadas para o movimento frenético e impositivo das mudanças, que têm tornado a velha rotina em cotidiano de espasmos de inovações, em que a velocidade caótica das mudanças dita uma dinâmica de realinhamento instantâneo nos pensamentos e ações.

Empresas responsáveis possibilitam a transformação da sociedade em um mundo melhor, isso é inovador.

Poderíamos concordar que a Governança Corporativa é essencial para geração de inovação e acolher a expressão “Governança Corporativa está associado a duas coisas: responsabilidade (accountability) e inovação”?

Nos Fóruns de Integridade e Ética do Banco do Nordeste, utilizamos a pratica do diálogo aberto para ampliar o compartilhamento de ideias e ações. Este exercício permanente propicia ambiência de abertura e transparência, que estimula a participação das pessoas na construção de novos entendimentos e transformações. Neste ano, estaremos juntos visitando o tema Legado e Inovação no âmbito da governança corporativa, para examinarmos como a estratégia caminha junto aos controles e como a alta gestão consegue atuar efetivamente na tensão entre accountability e inovação.

Acreditamos que podemos fazer melhor quando pensamos juntos e colocamos ideias em movimento.

Segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Horário

Atividade

08h00 - 09h00

Welcome Coffee e Credenciamento

09h00 - 11h30

Painel I: Governança da Inovação

  • Tema I:   Comunicaçao como Elemento Inovador
  • Tema II:  Qual o Papel do Conselho de Administração na Governança da Inovação ?
  • Tema III: Tecnologias Emergentes x Legado

Mediação:

  • Sra. Pâmela Roque - Advogada e Professora de Direito do INSPER
  • Sr. Antônio Celso Brasiliano - Professor e Presidente da Interisk

Debatedores:

  • Sr. Antônio Carlos Bezerra Leonel - Secretário Federal do CGU
  • Sra. Rossana Passos de Pádua - Diretora de RH, Riscos e Compliance da CSN
  • Sr. Antônio Martiningo Filho - membro do Comitê de Riscos e de Capital e Comitê de remuneração e Elegibilidade do Banco do Nordeste do Brasil

11h30 - 12h00

Brunch

12h00 - 14h30

Painel II: Legado

  • Tema IV: Impacto da Liderança no Processo de Integração do Legado, Cultura e Inovação
  • Tema V: Governança, Aparências e Resultados

Mediação:

  • Sra. Pâmela Roque - Advogada e Professora de Direito do INSPER
  • Sr. Antônio Celso Brasiliano - Professor e Presidente da Interisk

Debatedores:

  • Sra. Heloísa Bedicks - Superintendente Geral do IBGC
  • Sr. Francisco Eduardo Bessa – Assessor Especial de Controle Interno do Ministério da Economia
  • Sr. Giovanni Pacelli C. Lustosa da Costa – Superintendente Regional da CGU-CE
  • Sr. Rafael Jardim Cavalcante - Secretário de Controle Externo do Sistema Financeiro Nacional do TCU

Local: Auditório Celso Furtado, Banco do Nordeste - Avenida Silas Munguba, 5700 - Passaré - Fortaleza-CE.


Currículos dos debatedores e mediadores

Antônio Carlos Bezerra Leonel - Graduado em Administração de Empresas e Direito. Atuou no mercado financeiro por 7 (sete) anos (União de Banco Brasileiros S.A.- Unibanco, Unibanco Asset Management Banco de Investimento S.A, BBA Capital Icatu Investimentos DTVM S.A).  Ingressou na Controladoria Geral da União – CGU em 2002 (Auditor Federal de Finanças e Controle), atuando principalmente em Auditorias na Área de Trabalho, Emprego e na área Fazendária da Administração Direta e Indireta. No período de 2016/2017 foi Assessor Especial de Controle Interno do Ministério da Fazenda e atualmente é Secretário Federal de Controle Interno da Controladoria Geral da  União -CGU.

Francisco Eduardo de Holanda Bessa - Bacharel em Ciências Econômicas e Mestre em Controladoria pela Universidade Federal do Ceará. Auditor Federal de Finanças e Controle da CGU e chefe da Assessoria Especial de Controle Interno do Ministério da Economia. Exerceu a função de Secretário Federal de Controle Interno entre 2015 e 2016. Atuou como Assessor Especial na Casa Civil e como Assessor Especial de Controle Interno no Ministério da Educação. Na CGU também atuou como Coordenador-Geral de auditoria de recursos externos e na área de técnicas e procedimentos e atividades de capacitação em auditoria e fiscalização. Atuou como instrutor nos cursos de formação para auditores da CGU e nos programas de pós-graduação em auditoria desenvolvidos em parceria com o Tribunal de Contas da União. É professor universitário na área de contabilidade gerencial, ética e mercado financeiro. É auditor certificado (Certified Government Auditing Professional - CGAP) pelo IIA. Participou do Programa Minerva em Economia pela George Washington University em 2012 e do Programa Executivo de Competências para Liderança pela Universidade de Indiana em 2018. Foi funcionário, gerente de agência e Superintendente Financeiro do Banco do Nordeste.

Antônio Martinigno Filho - Membro do Comitê de Gestão de Riscos e de Capital e do Comitê de Remuneração e Elegibilidade do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) e Coordenador do Comitê de Auditoria da Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros). Também atua como Professor nos cursos de auditoria, controles internos, gestão de riscos e atuação em comitês de auditoria do Instituto dos Auditores Internos do Brasil (IIA) e da Fundação de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi). Graduado em Administração de Empresas, com especialização nas áreas de Auditoria, Finanças e Gestão de Ativos e mestrado em Gestão Empresarial pela Universidade de Brasília (UnB), possui experiência profissional em Auditoria Interna, Controles Internos, Gestão de Riscos e Mercado Financeiro e de Capitais, tendo exercido os cargos de Auditor, Gerente e Executivo de Auditoria no Banco do Brasil, realizando e coordenando trabalhos de auditoria nas áreas financeira, governança corporativa, gestão de riscos e controles internos no Brasil e no exterior. Também atuou na realização e coordenação de trabalhos de auditoria em empresas do Conglomerado Banco do Brasil e em fundos de pensão vinculados à Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ) e ao Economus Instituto de Seguridade Social, nos objetos relacionados à Gestão e Contabilidade de Fundos de Previdência, Cálculo Financeiro e Cálculo Atuarial, Auditoria Contábil e Gestão de Ativos e Passivos, entre outros. Possui experiência de atuação em comitês estatutários, tendo atuado em comitês de auditoria nas empresas Brasil saúde Companhia de Seguros, Cobra Tecnologia e Brasilprev Seguros e Previdência S.A.agência e Superintendente Financeiro do Banco do Nordeste.

Rafael Jardim Cavalcante - Auditor Federal de Controle Externo, é o atual Secretário de Controle Externo do Sistema Financeiro Nacional do TCU e Ex-Secretário de Combate a Corrupção daquela Corte. Coautor dos livros “Obras Públicas: comentários à jurisprudência do TCU” – 4ª Edição, “O RDC e a Contratação Integrada na prática”, “Lei Anticorrupção e Temas de Compliance”, “Empresas Estatais - governança, integridade, compliance e contratações” e “O Controle da Administração Pública na Era Digital”. No TCU desde 2005, foi também titular da Secretaria Extraordinária de Operações Especiais em Infraestrutura, unidade responsável pela condução dos processos relacionados à Operação Lava Jato. Foi ainda Diretor da área técnica responsável pela fiscalização de rodovias. Ocupou os cargos de Secretário de Fiscalização de Infraestrutura de Petróleo e também de Fiscalização de Obras de Energia. Coordenou as fiscalizações do TCU atinentes à Copa do Mundo de 2014. Na área de combate à corrupção e integridade, palestrou em eventos internacionais da ONU, OCDE, além de treinamentos para auditores das Controladorias Gerais de diversos países na América Latina. Palestrante e conferencista em temas afetos à engenharia de custos para o setor público, ao Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), Compliance, Integridade e a licitações e contratos de obras e serviços de engenharia. Formado em engenharia civil pela Universidade de Brasília, trabalhou por mais de dez anos na coordenação de projetos e execução de obras na iniciativa privada.

Prof. Dr. Antônio Celso Ribeiro Brasiliano - CIGR, CRMA, CES, DEA, DSE, MBS
Bacharel em Ciências Militares, graduado pela Academia Militar das Agulhas Negras e em Administração de Empresas, graduado pela Universidade Mackenzie; Doutor em Science et Ingénierie de L’Information et de L’Intelligence Stratégique – UNIVERSITÉ PARIS – EST ( Marne- La- Vallée) – Paris – França; Master Degree - Diplome D´Etudes Approfondies (DEA) en Information Scientifique et Technique ; Veille Technologique – UNIVERSITÉ TOULON – Toulon – França.  Membro da Galeria dos Imortais da Academia Brasileira de Ciências Econômicas, Políticas e Sociais – ANE – Academia Nacional de Economia, ocupando a cátedra 190. É Presidente da Brasiliano INTERISK e idealizador do Software - Inteligência em Riscos Corporativos INTERISK. Profissional com experiência nacional e internacional, com mais de 30 anos de mercado, nas áreas de governança, riscos, compliance, auditoria, controles internos e segurança corporativa, com vivência nos países: Portugal, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Uruguai, Argentina, Paraguai, Colômbia, México;   Professor e Autor de 17 livros versando sobre Governança, Compliance, Gestão e Análise de Riscos.

Morada de 2,6 milhões de pessoas, Fortaleza é a quinta capital do país em população. Com belas praias e sol quase o ano  inteiro, a capital cearense atrai anualmente um relevante número de turistas domésticos e estrangeiros, que também se encantam com sua culinária, arte e cultura.

Cidade que abriga a sede do Banco do Nordeste, Fortaleza tem um comércio intenso e diversificado, produção industrial consolidada nos ramos de vestuário, calçados e alimentação, além de infraestrutura que se equipara aos grandes centros do país.

Para conhecer a rede hoteleira, hospitalar e outros serviços da cidade, clique aqui.

O período de inscrição para o evento está iniciado e se encerrará em 25 de outubro de 2019.

Para se inscrever, preencher o formulário abaixo.

Para mais informações, entre em contato pelos telefones 3299-3035 ou 3299-3503.


Inscrição no III Fórum de Integridade e Ética do Banco do Nordeste.

Formulário de Inscrição no III Fórum de Integridade e Ética do Banco do Nordeste.

Este campo é obrigatório.
Este campo é obrigatório.
Este campo é obrigatório.
Este campo é obrigatório.
Este campo é obrigatório.